h1

Tibete: 50 anos de rebelião

Março 11, 2009

O Dalai Lama afirmou hoje que a ocupação chinesa do Tibete representou a morte de “centenas de milhares de tibetanos”.

A afirmação foi feita durante um discurso em Dharamsala, no norte da Índia, no momento em que se completa meio século da rebelião na região.

Na sua intervenção, divulgada no seu site, o líder político e espiritual dos tibetanos relembra a história recente do Tibete e assegura que a sua população “experimentou o inferno na Terra” desde que China reprimiu a revolta de 1959 e ocupou o território.

O Dalai Lama assegurou que após a ocupação, o Governo chinês realizou “uma série de campanhas violentas e repressivas” que incluíram a imposição da lei marcial e, mais recentemente, programas de “reeducação” que causaram um “profundo sofrimento” na população tibetana.

Segundo ele, nos últimos 50 anos o povo tibetano na China experimentou “um sofrimento e uma destruição indescritíveis”, o que persiste sob forma de “medo constante” até hoje.

“Estou decepcionado com o facto de as autoridades chinesas não terem respondido de forma apropriada aos esforços sinceros para implantar os princípios de uma autonomia regional nacional para todos os tibetanos”, comentou.

Com essas palavras, o Dalai Lama se referiu de forma indirecta ao memorando para uma “autonomia genuína” no Tibete que os seus enviados apresentaram ao Governo chinês na Primavera passada.

“Não tenho dúvida de que a justiça da causa tibetana prevalecerá se seguirmos o caminho da verdade e da não violência”, disse o líder.

Segundo o Dalai Lama, a maioria dos tibetanos defende a proposta que prevê uma maior autonomia dentro do território da República Popular China.

A China aumentou a segurança na fronteira com o Tibete na véspera do 50º aniversário da revolta dos tibetanos contra o domínio de Pequim. “Aumentamos o controlos nos portos fronteiriços e nas zonas-chave ao redor da fronteira com o Tibete”, assegurou Fu Hongyu do departamento de controlo de fronteiras pertencente ao Ministério da Segurança Pública, citado pelo Folha Online.

Por seu lado, o Dalai Lama disse que os líderes chineses se sentem ameaçados pelo budismo tibetano.

A fracassada rebelião de 50 anos atrás contra a China em Lhasa, capital do Tibete, culminou no exílio do Dalai Lama na Índia com o consentimento do então primeiro-ministro da Índia Jawaharlal Nehru, e desde então os tibetanos no exílio foram construindo as suas instituições em Dharamsala e seus arredores.

cd5ce1cd9f8161c955eeb7fdbcf0c2

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: